Estudo revela que cérebro humano aumentou nas últimas décadas

Aumento de volume cerebral pode estar associado a menor risco de demência por promover uma maior reserva cerebral.

Por Dr. Ricardo Afonso Teixeira*

Um dos maiores estudos populacionais sobre o impacto de fatores de risco no desenvolvimento de doenças cardiovasculares e demência é o “Framingham Heart Study”, iniciado em 1948. Há alguns anos, resultados desse estudo americano, e também de outros da Inglaterra, Holanda e Suécia, chegaram a mostrar uma menor incidência de demência ao longo das últimas cinco décadas, provavelmente associada a um melhor controle de fatores de risco vasculares e melhora dos níveis educacionais e nutricionais dessas populações. Não é o caso do Brasil, onde os estudos evidenciam aumento na incidência e prevalência de demência. Como era de se esperar, o aumento dos índices de demência acompanham o aumento dos índices de diabetes, obesidade, sedentarismo e analfabetismo.

Uma pesquisa recém-publicada pelo JAMA Neurology (25 março), prestigiado periódico da Academia Americana de Medicina, aponta que o volume cerebral é maior entre as pessoas que nasceram na década de 1970 comparadas às nascidas nos anos 1930. Exames de ressonância magnética de mais de três mil indivíduos foram analisados e os que nasceram nos anos 1970 tinham um volume cerebral e superfície do córtex 6.6% e 15% maiores. Os cérebros eram de americanos participantes do estudo de Framingham. Aumento de volume cerebral e superfície cortical pode estar associado a menor risco de demência por promover uma maior reserva cerebral.

O psicólogo americano James Flynn descreveu no início da década de 1980 que testes de inteligência têm resultados com melhor desempenho de geração em geração, fenômeno conhecido por efeito Flynn. Nosso QI tem mais chance de ser maior que o dos nossos pais, enquanto o dos nossos filhos será maior que o nosso. Discute-se que os fatores mais implicados nesse incremento também são os educacionais, nutricionais e de melhor controle dos fatores de risco cardiovasculares. Para a população americana estudada originalmente por Flynn, seus resultados são concordantes com os cérebros de Framingham crescendo ao longo das décadas. Entretanto, o efeito Flynn também é demonstrado em países de baixa e média renda, o que abre uma brecha para interrogarmos o efeito civilizatório de maior acesso à informação no mundo conectado. Será que a desinformação e fake news nas redes sociais serão capazes de inverter essas tendências?

*Dr. Ricardo Afonso Teixeira é doutor em neurologia pela Unicamp, professor do curso de medicina do Unieuro e neurologista do Instituto do Cérebro de Brasília.

Matéria originalmente no site do Correio Braziliense.
Crédito foto:
Universidade do Texas/Divulgação

Fale conosco via WhatsApp