Privação de sono altera a forma como enxergamos os outros

Pouco sono faz a gente ficar menos sociável e chega ao ponto de julgarmos os outros mais feios.


Um estudo da Universidade de Uppsala, na Suécia, mostra que após uma noite de privação de sono, as pessoas têm menor contato visual com os outros e uma avaliação diferente às suas expressões faciais. A pesquisa foi publicada recentemente pelo periódico Nature and Science of Sleep. Expressões faciais de raiva elicitavam uma impressão de se tratar de um indivíduo menos saudável e de menor confiabilidade, enquanto expressões neutras ou de medo davam a impressão de serem pessoas menos atrativas.

O estudo usou a tecnologia de rastreamento ocular em 45 jovens que eram apresentados a imagens de indivíduos com diferentes expressões faciais. Eles eram testados após uma noite de oito horas de sono e depois após uma noite de privação total do sono. O menor tempo de fixação visual encontrado após a privação de sono, especialmente da metade superior da face, aumentou a chance de interpretação imprecisa do estado emocional dos outros.

No presente estudo, a privação de sono levou a um julgamento mais negativo e pode estar associado a uma menor motivação para a interação social no mudo real. Isso já foi sugerido pelos resultados de uma pesquisa publicada pela Nature Communications em 2018. Muito interessante é o fato de que a privação de sono dispara um sinal de repulsa social naqueles que estão sem dormir, mas também entre aqueles que estão interagindo com o insone.

E a relação entre privação de sono e sociabilidade é de via dupla. Camundongos submetidos a isolamento social passam a ter o sono menos eficiente. Em humanos acontece o mesmo, enquanto a promoção de socialização melhora o padrão do sono. Sabemos também que a privação de sono está associada uma maior ativação das amígdalas cerebrais quando em frente a estímulos de contextos negativos ou prazerosos.


 

Confira o áudio da coluna Cuca Legal, uma parceria do ICB com a Rádio CBN Brasília: